(21) 3689-0271

Sistema de Gestão Integrado como Aporte a Engenharia de Manutenção

SGI como aporte a engenharia de manutenção

Busquem assistir ao Bate-papo de manutenção que ocorrerá no dia 27.09.2021, um evento promovido pela CCE-PUC-Rio em promoção a realização da segunda turma do EXGAMAN - 2022.

Bate-papo com Carlos Almeida e o Newton Richa - 27.09.21

Título: Sistema de gestão Integrado como aporte a engenharia de manutenção

Façam a inscrição no Link no site de inscrição: https://www.cce.puc-rio.br/sitecce/website/website.dll/folder?nCurso=bate(traco)papo-de-manutencao:-sistema-de-gestao-integrado-como-aporte-a-engenharia-de-manutencao&nInst=cce

O Sistema de Gestão Integrado

Tema de grande importância no cenário atual, em particular, no que se refere à distinção entre suas aplicabilidades, assim pretendemos apresentar e refletir sobre a implantação desta prática nas organizações, em particular, como aporte a engenharia de manutenção.

A primeira vez que tive acesso ao tema, foi no início dos anos 90, através de uma apostila do Centro de Tecnologia da Indústria Química e Têxtil – SENAI CETIQT, com o título Qualidade Total, sendo rapidamente absorvida e transformada em apostila de curso para os servidores do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro, mantida a originalidade e, ao mesmo tempo, 100% adaptada aos exemplos vivenciados por todos os servidores no desempenho das suas funções na Divisão de Engenharia - DEG do HUCFF/UFRJ (1994).

Em continuidade e em função do sucesso no treinamento aos 220 mantenedores da DEG, entendi oportuno e necessário dar continuidade na pesquisa sobre o tema, através da leitura de obras publicadas pelos grandes autores em engenharia de manutenção, que estavam ligados a esta área do conhecimento, sempre com o objetivo de desenvolver a função manutenção, sendo eles: Lourival Augusto Tavares, Nelson Cabral de Carvalho, Haroldo Ribeiro, Gil Branco Filho, os saudosos Banaiote Gazal, José Haim Benzecry, Rogério Arcuri Filho.

Esses grandes mestres que atuam até hoje no desenvolvimento de milhares de profissionais de engenharia de manutenção, contribuindo com suas experiências e vivências, ao longo destes muitos anos, gerando a base conceitual e as aplicações práticas da disciplina, assegurando a transformação da prática e do estado da arte engenharia de manutenção, com suas constantes abordagens inovadoras.

Para que o Sistema de Gestão Integrado fosse possível de ser desenvolvido, em continuidade ao trabalho realizado com os servidores do HUCFF, entre os anos de 1994 a 1998, ingressei no Curso de Especialização - MBA em Engenharia de Manutenção, tendo algumas disciplinas um grande diferencial, como por exemplo:

A disciplina ministrada pelo prof. Nelson Cabral de Carvalho que tratava o Planejamento Estratégico, como uma ferramenta de estudo do cenário atual e futuro na organização, hoje no plano de aulas do professor Nelson Cabral encontramos em paralelo as seguintes disciplinas: cultura de segurança, ciência do risco, sustentabilidade e qualidade.

A disciplina ministrada pelo prof. Rodolfo Stonner era o planejamento de grandes paradas de manutenção, na ocasião nós aprendemos a trabalhar com PERT/CPM, caminho crítico etc., logo em seguida o prof. Stonner gravava em vídeo cassete, uma abordagem com a aplicação do MsProject, vejam que isso faz muito tempo, reportando ao final dos anos 96 a 97. Hoje o prof. Stonner aborda as mais diversas técnicas em engenharia de manutenção, tendo um grande sucesso em suas abordagens integradas, já tendo formado milhares de profissionais engenheiros de manutenção.

No final dos anos 80, o prof. Lourival Tavares apresenta o vídeo cassete com o filme Pioneiros de Paradigmas, produzido por SIAMAR e tendo como apresentador Joel Parker, este vídeo marcou a minha trajetória profissional e acadêmica, pois era de total empreendedorismo, a toda prova o desafio era muito maior e melhor do que qualquer outra alternativa. Na mensagem do vídeo, voltávamos a era dos pioneiros americanos desbravando o velho oeste, em suas carroças e com um desenho de uma curva ele apresentava os pontos A, B e C e demonstrava de uma forma surpreendente o que se sabia sobre a quebra de um paradigma em três momentos distintos. Ele perguntava... "É seguro aqui"? Como os pioneiros poderiam saber que o caminho era aquele? Ou ao conquistar o espaço aberto/livre, já ocupavam todos espaços...

Pouco tempo depois, Lourival Tavares já apresentava o conceito de curva do aprendizado, que não difere muito da curva do pioneiro de paradigma, contudo, na curva do aprendizado, o pioneiro pula para um novo paradigma antes que o primeiro seja totalmente fechado, ou seja, as coisas mudam muito rápido e é por este motivo que as inovações precisam estar com as startups. Eles geram essas quebras de paradigmas de uma forma muito veloz, isto contribui diretamente para as empresas de maior porte.

Mario Vidal (1997) dizia, precisamos afinar nossos ouvidos, precisamos ter sensibilidade para ouvir, pois nem tudo possui relevância, contudo a escuta privilegiada te levará há uma possível solução do problema, a solução está com quem faz…

Franz Peter (2013) - Diretor industrial do parque da Bayer - BCS, em Belford Roxo dizia, não quero que os consultores façam nada, apenas indiquem os caminhos e o conceito aos funcionários, vocês podem acreditar que eles nos trarão excelentes soluções, muito além das expectativas. E assim foi realizado e ele estava certo, pois como nos dizia Gazal, eles sabiam voar…

Por fim e não menos importante, o Fernando Sepulveda, servidor da UFRJ e responsável por semear o programa da qualidade na COPPE/UFRJ e, em particular no LabOceano, um símbolo de persistência e técnica, extremamente focado, criando também em 2002 o primeiro curso de engenharia da qualidade pela COPPE, onde tive a oportunidade de participar da segunda turma deste MBA fantástico.

Citarei aqui, alguns comentários desses grandes autores (Comunicação Pessoal):

ALMEIDA, Carlos de Souza (GENTE/COPPE/UFRJ, 1999) - A matemática possui suas estruturas, regras e leis, assim devemos pensar a atividade profissional, entender a atividade, buscar as relações entre tecnologia, organização e pessoa, provocar a emersão de soluções, no seio da atividade e por quem a executa, devemos discutir com a equipe qual seria a melhor opção a ser aplicada.

A equipe treinada, conhecedora da metodologia e suas ferramentas, poderá gerar estratégias, estruturas, regras e leis que facilitem o trabalho, principalmente, se entenderem o conceito, como já explicado acima, a equipe fará qualquer tipo de atividade “um verdadeiro exercício, poderá ser inclusive de matemática,” ou seja, não é decorar, não é simplesmente fazer de qualquer maneira… e sim, "Entender o que se faz e o como se faz, buscando sempre pela eterna melhoria contínua".

CARVALHO, Nelson Cabral (ENGEMAN, 1996) - Devemos repassar aos alunos o CONCEITO... Eles precisam entender o conceito e, assim, conseguirão aplica-lo na prática…

CARVALHO, N. C, apud ALMEIDA, Carlos de Souza (Comunicação pessoal com alunos, 1997 a atual) - Em engenharia de manutenção o importante é discutir o Conceito, ou seja: O que realmente significa? Quem foi o autor principal (FONTE?)? O que ele tentou passar? 

Vamos combinar! 

"liguem para o Lourival Tavares, converse com ele sobre esse Conceito, aprofunde o tema, pois ele é o próprio conceito".

Seguindo em frente…

A partir deste primeiro contato com o tema Qualidade Total e ainda nos anos 90, iniciei uma grande discussão/reflexão sobre o motivo de uma empresa estar certificada em uma das pontas do seu processo e, ao ser visitada, as evidências, na grande maioria do casos, era a de que a certificação era mais uma questão de marketing do que qualquer outra coisa, ou seja, lá no início, muitas organizações se beneficiaram por informar ao mercado que possuíam um certificado, quando na verdade, o certificado era apenas de uma parte do seu processo / negócio, nem sempre uma área de relevância ao processo da atividade fim …

Com o passar dos anos, as normas foram sendo geradas e hoje, esse espaço está muito bem detalhado, as Normas passam a fazer parte do Sistema de Gestão Integrado e com a chegada da PAS 55, Gestão de Ativos, muita coisa mudou neste cenário.

  • Para exemplificar, vamos aos dados:

Segundo dados extraídos da internet, 68% das organizações que figuram no Forbes Global 500 se relacionam com startups em seus projetos; Ainda segundo a Forbes Global 500, em 1995 uma empresa passava em média 75 anos entre as 500 melhores e maiores do mundo e em 2015, essa média passou a ser de 15 anos.

Da mesma forma 80% do potencial de melhorias em uma organização concentram-se nas ideias do pessoal da linha de frente, equipe interna - Fonte: Livro: Organizações guiadas por ideias.

Já o Sistema de Gestão Integrada indica que é um sistema (software) que organiza todas as operações de um negócio, promovendo comunicação e garantindo que os processos sejam colocados em prática, independentemente do setor da empresa.

Na verdade, sempre estaremos em busca de melhores práticas para a organização das informações na empresa, assim, devemos buscar por soluções para melhorar a comunicação e a produtividade para os setores e o negócio da organização.

Por sua vez, o Sistema de Gestão Integrado possui o papel de unificar os processos aplicando normas, procedimentos, instruções de trabalho, treinamento da equipe, entre tantos outros aportes.

No Brasil, a normalização teve início em 1940, com a criação da ABNT, tendo participação ativa na fundação da ISO em 1947. Por sua vez, observa-se aqui que a ISO - International Organization for Standardization (Organização Internacional para Padronização), fez parte de uma das grandes ações da ABNT em seu início, demonstrando grande vocação dos brasileiros no cenário internacional. Assim, destaca-se que a ISO é uma entidade de padronização e normatização, e foi criada em Genebra, na Suíça, em 1947. Para isto contou com 25 países. Hoje participam da ISO 162 países.

O seu objetivo maior seria o de unificar o desenvolvimento de normas, gerando um padrão internacional e facilitando, assim, a coordenação internacional destas ações, pois o mercado internacional impõe barreiras comerciais “não tarifárias”, produzindo dificuldades para empresas que não atendem os requisitos mínimos quanto as áreas ambientais e de saúde e segurança do trabalho.

Ainda não temos uma certificação SGI, contudo as avaliações e auditorias de certificação podem ser realizadas de forma integrada. Na realidade, quando os sistemas são implantados de forma isolada, separadamente e de forma incompatível, resultam em custos maiores, aumentando inclusive a probabilidade de falhas e enganos, esforços duplicados, burocracia desnecessária e um impacto negativo junto às partes interessadas, em especial para os colaboradores e clientes.

 

Outrossim, se estiverem integrados desde o início, trazem grandes vantagens, tais como:

  • otimização e redução do tempo com conscientização e treinamentos;
  • economia de tempo e custos de implantação;
  • melhoria na gestão de processos;
  • maior controle dos riscos com acidentes;
  • análise crítica, pela direção, mais eficaz;
  • maior comprometimento da direção;
  • redução do controle de custos ambientais;
  • redução de documentos e burocracia;
  • utilização mais eficaz de recursos internos e infra-estrutura;
  • melhor comunicação com as partes interessadas;
  • redução de custos de manutenção do sistema;
  • simplificação das normas e das exigências dos sistemas de gestão;
  • menor tempo total de paralização das atividades durante a realização das auditorias;
  • possibilidade de realização de uma implantação progressiva e modular dos sistemas;
  • alinhamento dos objetivos, processos e recursos para diferentes áreas funcionais (segurança, saúde, qualidade e ambiental);
  • redução do nível de complexidade dos sistemas;
  • eliminação de redundâncias e dos esforços duplicados;
  • sinergia gerada pelos diferentes sistemas implementados de maneira conjunta;
  • aumento da eficácia e melhoria da eficiência do sistema;
  • redução de custos de desenvolvimento e implementação (menor número de elementos a serem implementados);
  • redução dos custos com auditorias internas e de certificação;
  • satisfação dos critérios dos investidores e melhoria do acesso de capital;
  • aumento de competitividade;
  • controle preventivo do processo.

Como resultados efetivos o Sistema de Gestão Integrado poderá gerar:

  • redução de desperdícios;
  • otimização de processos;
  • redução de resíduos sólidos, efluentes líquidos, emissões atmosféricas;
  • melhorias na identificação e controle de riscos;
  • redução da frequência e gravidade dos acidentes
  • melhoria da integridade física;
  • melhoria da saúde do trabalhador.
  • melhoria da produtividade, qualidade e lucratividade;
  • melhoria das relações comerciais;
  • melhoria das ações de marketing, tornando-o mais positivo;
  • melhoria da imagem da organização;
  • melhoria da credibilidade no mercado nacional e internacional.

As normas aplicáveis:

ISO 9001 - sistema de gestão da qualidade - RJ - ABNT - 2008

OHSAS 18.001 - sistema de gestão de saúde e segurança ocupacional (Occupational Health ans Safety Assessments Series) - publicada pela BSI – British Standards Institution - É uma norma de Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (SGSSO). Empresas certificadas por essa norma devem migrar para a ISO 45.001. 

ISO 45.001 - RJ - ABNT - 2018.

SA8000 - Social Accountability - Responsabilidade Corporativa - DNV - o certificado permite que os clientes possam confiar que você implementou os processos internos necessários para assegurar os direitos humanos de seus funcionários.

NBR 5462 - 1994 - conceitos e terminologias que rodeiam a Confiabilidade e Mantenabilidade.

NBR 5674 - ABNT - 1999 - Manutenção de edificações - Procedimento.

NBR 15575 é uma norma que trata do desempenho de edificações habitacionais e apresenta características indispensáveis de uma obra para o consumidor, com o objetivo de prezar pelo conforto, acessibilidade, higiene, estabilidade, vida útil da construção, segurança estrutural e contra incêndios.

LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é uma ferramenta de Certificação que busca incentivar e acelerar a adoção de práticas de construção sustentável.

Norma NR 17 - visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.

ISO 14.001 - sistema de gestão ambiental - RJ - ABNT - 2004

NBR ISO 19011 - diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental - RJ - ABNT - 2002

ABNT NBR ISO 37120 2017 – Desenvolvimento sustentável de comunidades — Indicadores para serviços urbanos e qualidade de vida

ISO 55000 - Gestão de ativos - Em 2004, foi criada a PAS 55 (Publicly Available Specification 55), norma, publicada pela British Standards Institution (BSI), que trouxe uma espécie de guia de melhores práticas de gerenciamento de bens e posses de diversas naturezas. Nesse sentido, a PAS 55 orienta indústrias em diversos “pontos-chave”, do que podem ser consideradas boas práticas em gestão de ativos. Estes pontos-chave são referentes a melhorias em áreas como energia, eletricidade, água, estradas, transporte aéreo e terrestre, manufatura e recursos naturais, entre diversas outras.

Por sua vez, o Sistema de Gestão Integrado, possui um papel de unificar os processos de qualidade, gestão ambiental, segurança, saúde ocupacional e responsabilidade social.

No desenvolvimento que proponho em minhas pesquisas, o objeto acima apresentado, é adicionado a: Ergonomia, Manutenção, Sustentabilidade e a Gestão de Ativos, gerando uma matriz integrada de todas as normas e procedimentos técnicos que promovem as boas práticas no ambiente laboral de qualquer organização manutenção.

Esta Matriz que é composta pelo Sistema de Gestão Integrado, acaba por gerar novos focos na atividade de trabalho e nos levantamentos técnicos e normativos:

  • foco na atividade real (lugar onde o trabalho acontece);
  • foco no negócio da organização (agregar valor ao produto ou serviço);
  • foco na sociedade (realizar as entregas na forma mais adequada e pertinente)

Destaca-se que a integração desses sistemas, além de gerar bons resultados em curto, médio e longo prazo, tornam mais eficientes a sua implantação, incluindo as políticas e objetivos organizacionais, o atendimento da missão e visão empresarial, pois ao compor o manual técnico e operacional da organização, documento chave para os mais diversos aportes e atividades na empresa, deixamos os processos mais transparentes, através da geração de procedimentos e práticas do gerais e globais do que se tivéssemos trabalho na individualização da gestão de cada norma, através de sistemas individuais para cada processo organizacional.

Devemos ainda, explicitar e analisar os benefícios desta classe de aplicação nas organizações, abordando as questões relativas aos impactos e as necessárias mudanças no que se refere aos requisitos abordados em cada sistema, pois esta prática garante respostas aos requisitos e às exigências das regulamentações, cada vez mais rigorosas, como por exemplo, respeito ao meio ambiente, compromisso permanente com a saúde e a segurança das pessoas no trabalho, e a satisfação dos clientes internos e externos.

Em artigo publicado por MORAES, Clauciana Schmidt Bueno de; VALE, Natacha Paganelli do; ARAÚJO, José Alencastro, datado de 12.07.2013, esse processo de aglutinação das normas pertinentes e aplicáveis em uma organização, são compatíveis entre si e promovem a obtenção de excelentes resultados, sendo estes cada vez mais arrojados.

  • conscientização da sociedade;
  • aumento das exigências em relação as questões ambientais, de segurança, saúde e sociais;

Da mesma forma, a aplicação do Sistema de Gestão Integrado aqui proposto, proporcionará melhores indicadores organizacionais, entre eles:

  • redução de acidentes;
  • redução de impactos ambientais
  • redução de custos
  • aumento do valor percebido pelo cliente em produtos e serviços;
  • melhoria da imagem no mercado nacional e internacional;
  • melhoria contínua em seus processos e resultados a médio e longo prazo;
  • satisfação de todos os envolvidos: equipe, cliente, sociedade.

As questões como saúde, segurança e meio ambiente, são estratégicas em função dos impactos que via de regra são significativos em relação aos objetivos da organização, são questões que devem ser tratadas de forma integrada e incorporadas a gestão global da empresa.

Os requisitos das normas, ISO 14.001 - sistema ambiental e BS8.800 - sistemas de gestão de segurança e saúde ocupacional, são amplamente aplicados pela Petrobras, em particular, ISM Code - código internacional de gestão e meio ambiente para navios e plataformas.

Desta maneira, o Sistema é “Integrado” e merece uma política única contemplando todas as normas, ainda assim, existem porém, dificuldades e benefícios nesta implantação.

O melhor caminho a ser seguido seria, em um primeiro plano:

  • verificar a eficiência do SGI, como poderíamos aglutinar as normas e, ao mesmo tempo, avaliar a proposta em cada organização que busque por este procedimento;
  • avaliar quais seriam as ações necessárias para que a organização alcance sucesso na implantação e gerenciamento desta projeto;
  • identificar possíveis benefícios e melhorias no processo produtivo, tendo como exemplos as ferramentas: SIRPORC, MAMP, BPM, entre outras;
  • avaliar se através da adoção do SGI, haverá uma gestão mais assertiva nas áreas relacionadas com o projeto: qualidade, meio ambiente, segurança, saúde, responsabilidade social, ergonomia, manutenção, gestão de ativos, sustentabilidade, controle financeiro, capital intelectual, demais recursos.

 

A CCE-PUC-Rio estará lançando em janeiro de 2022 a segunda turma do curso de gestão avançada em engenharia de manutenção, uma atividade promovida pela CCE-PUC-Rio, busque por maiores informações no LINK 2a. turma do Exgaman

https://www.cce.puc-rio.br/sitecce/website/website.dll/folder?nCurso=gestao-avancada-na-engenharia-de-manutencao-(traco)-exgaman&nInst=cce

 

Agradeço a leitura do presente artigo,

Cordialmente,

Carlos de Souza Almeida, D.Sc.

Diretor Técnico da Gestalent

Coordenador do EXGAMAN - CCE-PUC-Rio

 

 

#Gestalent

#manutençãoindustrial

#manutençãopredial

#Termodereferênciaemmanutenção

#ContratosdeTerceirizaçãodamanutenção

#SGI

#Qualidade

#SMS

#SegurançadoTrabalho

#Ergonomia

#Custosdemanutenção

#PPCGM

#Compliance

#LogísticaOperacionalemanutenção

#Gestãodepessoas

#Gestãodeativos

#Lubrificação

#RevoluçãoIndustrial4.

#InteligênciaArtificial

#IoT

#IIoT

#GestãodeParadasdeManutenção

#PCM

#TPM

#LEAN

Carlos de Souza Almeida

 

Gestalent Consultoria e Treinamento LTDA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright ® - Gestalent 2021 - Todos os Direitos Reservados
Scroll to Top